Sobre a Academia

A Academia de Música José Atalaya foi fundada em 1998 sob proposta do Maestro José Atalaya com o apoio da Câmara Municipal de Fafe e integra-se, juridicamente, na Associação Cultural de Educação Pelas Artes (ACEPA) que é uma Instituição sem fins lucrativos, que tem como principal objecto o desenvolvimento cultural local ao nível da divulgação e ensino da Música no concelho de Fafe e que tem como Presidente da Direção o Dr. Rogério Gonçalves.

Foram sócios fundadores a Câmara Municipal de Fafe, o Núcleo de Artes e Letras de Fafe, o Rancho Folclórico de Fafe, a Sociedade Filarmónica Fafense (Banda de Revelhe), a Sociedade Artística Musical Fafense (Banda de Golães), o Grupo Cultural e Recreativo Nun’Álvares, a Associação Comercial e Industrial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto, a Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de Fafe e, em nome individual, o Maestro José Atalaya e os Professores Miguel Leite e Maria Henriqueta Fernandes.

Desde a sua fundação, a Academia apostou no ensino da Música com a qualidade necessária ao seu reconhecimento pelo Ministério da Educação.

 Foi assim que, aberta a todos os escalões etários mas dando particular atenção aos mais jovens, a Academia de Música José Atalaya foi conquistando o seu espaço, o que lhe valeu o reconhecimento pela Direção Regional de Educação do Norte ao conceder-lhe autorização provisória de funcionamento e dar paralelismo pedagógico aos Cursos Básicos à data em funcionamento (Acordeão, Clarinete, Flauta Transversal, Piano, Saxofone, Viola Dedilhada e Violino) e onde cerca de 100 alunos, com empenho e arte davam significado à Música como forma de expressão.

 O ano lectivo de 2003/2004 foi decisivo. Para além da entrada em funcionamento dos Cursos Complementares de Piano e Guitarra, que entretanto obtiveram reconhecimento oficial, a Academia obteve “Autorização Definitiva de Leccionação” em 16 de Janeiro de 2003, através da autorização nº 95/DREN.

Mais tarde, em 17 de Janeiro de 2012, por Despacho do Sr. Diretor Regional de Educação do Norte, conseguiu Autonomia Pedagógica concedida pelo período de 3 anos, Autonomia Pedagógica que se tornou definitiva no âmbito do artº 36º do Decreto - Lei 152/2013 de 4 de novembro.

A intervenção da Academia de Música José Atalaya tem sido igualmente marcante no domínio da promoção e valorização da Música, através da organização e produção de eventos musicais a nível local abertos a diversos tipos de público; através da colaboração com outras entidades culturais do conselho; através da organização de Concursos.

Atualmente, para além dos cursos atrás referidos, conta ainda com autorização de funcionamento e paralelismo pedagógico para os Cursos Básicos de Canto, Fagote, Oboé, Trompa, Trompete, Trombone, Violoncelo, Violeta, Contrabaixo e para os Cursos Complementares de Canto, Clarinete, Flauta Transversal, Formação Musical, Piano, Saxofone, Violino e Violoncelo.

Com um Corpo Docente bastante estável constituído por 30 professores, uma população escolar que ronda os 250 alunos e uma lista de espera considerável, merece destaque a grande aposta no Regime Articulado que proporciona a frequência gratuita à quase totalidade dos alunos que frequentam o 2º e 3º ciclos do Ensino Básico e o Ensino Secundário.

A Direção Pedagógica é, atualmente, constituída pelos professores José Manuel Pinto Machado (que já contava com 4 anos de gestão numa escola pública) Fernanda Manuela dos Reis Pereira e Cristina Cunha, ambas licenciadas e profissionalizadas.

Entre janeiro de 2011 e agosto de 2015, foi financiada pelo Fundo Social Europeu – POPH – tendo passado incólume por uma inspeção da referida organização internacional.

Para o ano letivo 2015/2016, com a passagem do regime de financiamento para os Contratos de Patrocínio, candidatou-se a financiamento tendo ficado em 7ª posição de um total de 46 candidaturas que foram apresentadas na Região Norte.

Tem regularmente alunos premiados em vários concursos nacionais e internacionais e já recebeu vários prémios (Jornal Notícias de Fafe, Grupo Nun’Álvares, Federação de Futebol Popular, Lions Club, Rotary Club) pela sua inserção na comunidade.